Imprimir

leiTTuras silenciosas - o que eles, professores, disseram

ligado . Publicado em leiTTuras silenciosas

Testemunho da professora Alda Gonçalves – EB Devesinha:

O projeto «LeiTTuras Silenciosas», implementado ao longo do presente ano letivo, traduziu-se em experiências de aprendizagem bastante enriquecedoras, não só para os meus alunos (3.º C – E.B. Devesinha), como para mim.

A própria designação do projeto é sugestiva e evidencia um pormenor que faz toda a diferença: “LeiTTuras”. Este pequeno aspeto suscitou-nos, a mim e aos meus alunos, alguma curiosidade. O professor Ruão acabou por nos esclarecer o significado de “TT”: Taças Tibetanas. Todavia, este pormenor ganhou ainda maior relevância quando os alunos vivenciaram o som e o toque relaxante das referidas taças.

Confesso que inicialmente fiquei apreensiva, devido à ambiência criada, à postura requerida às crianças... O conto da história acontecia numa sala escurecida onde os alunos se deitavam sobre mantas, com os pés descalços, as cabeças colocadas nas suas almofadas e com uma venda preta sobre os olhos. Este ambiente de relaxamento, propício à concentração e à leitura, na primeira sessão, como já previa, não decorreu totalmente como o planeado. Nesta faixa etária, as crianças têm tendência a brincar com tudo, nomeadamente em situações inesperadas vividas em grupo. Foi o que aconteceu, de certa forma, uma vez que, apesar de estarem habituadas e de gostarem imenso de ouvir e de ler histórias em ambiente de silêncio, nunca o tinham feito num contexto semelhante.

Todo o projeto foi uma descoberta e uma aprendizagem; uma descoberta das potencialidades inerentes à postura e ao ambiente criado com o intuito de levar os alunos a compreenderem, a imaginarem e a vivenciarem as histórias lidas/ouvidas, motivando-os para a criação de hábitos de leitura.

No decorrer do projeto, de sessão para sessão, constatei que o grupo de alunos que vivia aquela atividade com serenidade e concentração ia aumentando, assim como o sentir, por eles próprios, que aquele ambiente de relaxamento permitia entender melhor a história, recreando-a e imaginando-a mentalmente.

Após a audição e a exploração oral da história, em cada sessão, no final havia um momento em que eram colocadas as taças tibetanas, com um determinado ritual e de forma sequencial, em cada aluno… Porém, numa das primeiras sessões, por se terem demorado ao nível da organização, não houve tempo para esse espaço de grande tranquilidade e concentração, no qual ouviam apenas o som e sentiam as referidas taças. Os alunos ficaram um pouco dececionados, porque diziam ser muito agradável esse momento de relaxamento. O que é surpreendente é que, a partir daí, começaram, por eles mesmos, a perceber que todos os procedimentos inerentes à atividade tinham uma lógica na qual, quando cumprida por eles, se repercutiam aprendizagens e vivências muito interessantes.

Eu, que pretendia escrever pouco, já me estou a alongar nas palavras… Por isso mesmo, vou terminar, realçando o facto de que este projeto deve ter continuidade, pois houve todo um “caminho” percorrido que mudou atitudes, estimulou a imaginação, promoveu a concentração e incentivou a leitura e o desenvolvimento de cada criança, individualmente e em grupo. Tal como os meus alunos o fizeram, no preenchimento do formulário referente à avaliação deste projeto, atribuo “5 estrelas” a todo o desenrolar do mesmo e à evolução que promoveu nos alunos.